Saturday, August 12, 2017

~

Danço. Danças. E a música é lenço branco voando. E a noite é fumo, fumo que arde, inconsequente e férreo, veloz, voraz. É sede e força que se abraçam. É sombra e voz que se ligam, imaginação imperfeita dos corpos que não existem. Suor, suor frio e quente, toque, toque leve e envergonhado. Corre, que o presente não suporta a nossa dor. Quebra a luz, entra na escuridão luminescente do álcool, vem comigo, partamos ao meio a fatia de solidão que nos calhou, choremos juntos a verdade que a embriaguez consola. Porque o presente é insuportável e não ouve ninguém. Queremos o bem do mundo, tão só o bem simples do mundo, mas somos sempre em falha, passageiros sem bilhete, multa imperativa, tristeza magoada que se afunda e nos afunda, sempre mais e mais. Madeira é a que cheira este estrado em que me deito e estico, tabaco impregnado de tempo, olho turco que espelhando-me a ti espelha, coisa sem sombra que sou, que somos, vapor, vapor sem lembrança. Voz ao fundo, música de fundo lento, sala onde dançamos, de cabelos e braços desnudados, sombras, vultos perdidos e soltos, liberdade que só o vento, muito vento, nos traz. Assim vagueamos pela noite, pelas noites das memórias vagas. Sentir vibrante, como te quero. Porque o amor não se basta e o amar concreto é horizonte que se não revela. Suor, calor, alma em partilha contínua. Fazes-me falta e não sabes, nem da falta que me fazes, nem de mim. Nem de mim… Do eu, que sou e mais não posso. Não posso gritar mais pelo que não existe, por ti. Há coisas e palavras que se não ouvem na confusão dos dias secos. Pudéssemos ao menos dizer a todos os cantos e recantos e recortes como o amor é denso e mudo e belo. Pudéssemos quebrar toda a distância. Pudesse eu fazê-lo por nós, por mim, por ti só. Mas o astro da convenção, do como deve de ser, arrasa-nos com desculpas e medos infundados. Tenho a mim e ao dia estafado de tanto amar em perda.   

No comments: