Saturday, August 12, 2017

~

Manhã. Noite. Manhã, noite, noite, manhã. O dia é sempre igual à noite. Neste lugar. Aqui, onde o tempo não passa. Onde a solidão das máquinas, o rubor das luzes, o gás vesicante das balas, se não calam. Onde os teus olhos, os teus olhos sós, baços de sofrer, ardentes de tantos silêncios e pausas e evicções, emudecem os corações que passam sem parar. Porque o teu corpo, grande, braçudo, maciço. Porque o teu corpo tropeçou no embaraço da força cadente. Porque a tua força ficou ausente sem que assim quisesses. Porque a tua vontade foi vencida. Porque não pudeste dizer sim ou não. Porque o vazio que deixaste cedo se fechou. Assim partiste. Tão perto da verdade que temias. Tão silente, para que ninguém soubesse. Partiste sem deixar rasto, partiste como chegaste, levando contigo tudo aquilo que trazias – nada. Porém muito deixaste, acredita, deixaste, e como dói o que ficou. Como dói a incapacidade, a crueldade, a esperança imodesta e falsa que te dei, o aperto de mãos que trocámos naquela manhã, na manhã que não foi noite, nem manhã, nem nunca mais além do momento, daquele momento, daquele rasgo de luminosidade pérfida e fugaz. Desculpa, desculpa-me se te magoei demais. 

~

No comments: