Friday, December 7, 2012

~


foto retirada de www.olhares.com (link do autor)

~


ensinaram-nos
os princípios
necessários  
para sermos
homens
aqueles
que nos não
ajudam
a viver

explicaram-nos
o bem
e o ofício
divino
de chegar
ao paraíso
sem passar
pela casa
de partida

e as cores
do céu
essas
verdadeiras
roubaram-nas
aos dias
repetidos

é o tecto
apenas
alto
gigante
para onde
nos empurra
o pensamento
dos outros

é o tecto 
de cimento
a luz
escassa
que nos espreita
inquisidora
e atenta
ao eco longe
da música
restante

não consigo
não posso
já sentir
o que por bem
amei 

o frio terno
que por mim
passava vivo
quando eras
comigo
luz imensa
manhã vasta
de sol
e esperança

estou cansada
de não poder
respirar
à vontade
amar
sem pensar
se é amor
o sorriso
que me não
contesta

cansada
de ponderar
sempre
antes do gesto
de imaginá-lo
vivo
recíproco
necessário

desta náusea
constante
deste girar
absurdo
do mundo
que tarda
mas não espera

cansada
deste peso
que sou eu
e a dúvida
toda
que se não cala
e não responde

(...)


1 comment:

Ana said...

Sem mais palavras que o gostar