Saturday, October 27, 2012

~


 foto retirada de www.olhares.com (link)

 ~

há que resistir
ao peso
de não ser
à fatalidade
de nascer
com tudo
e nada ter

há que resistir
à dor
volante
e ao riso
crasso
que sorrimos
na ilusão
do dia 
lasso

há que resistir
ao visco espesso
da boa vontade
e das intenções
que são sempre
boas
e inquestionáveis
porque nossas
e por nós

há que resistir
ao saber
e sentir
que nada existe
e disso
fazer vida
e dizer que é vida
o desferir
de vontades
transitórias
que nos seduzem
inconstantes 

há que resistir
ao sonho
que é de todos
igual
e ao abraço
que nele não cabe
e ao amor 
morrente  
que nos falha

há que resistir
à solidão
e às cidades
de pedra
vencer ao sono
interditado
quando 
pela noite
por fim silente
procuramos
o lado humano
de nós
e é só vazio
e palavras rotas
[feitas à medida
de não sei bem
o quê]

há que resistir
à vida
que se sabe
términa
ao desfalecer
daqueloutro ali
que por não ser 
nosso 
se afigura
natural 
e justo 

há que resistir
à cara
limpa e perfumada
que contemplamos
e aceitamos
manhã ante manhã
sem cor 

há que resistir
a tudo isto
lavar as mãos
e ir para a mesa
comer 

1 comment:

Ana said...

Resistir ... sobreviver.

Beijinho*