Monday, September 10, 2012



~

abre-se uma porta
não é além dela
o teu olhar terno
doce e triste
 silêncio
que torna 
a cada instante

és ali
naquele recanto
naquele ruído
que são as tuas patas imóveis 
no instante em que te não vi partir

penso-te
pressinto-te ao entrar
ao entrares por mim adentro
ao cheirares as minhas patas
e roeres os meus dedos
transpondo-me toda
na tua significância

amo-te tanto

(...)

No comments: