Friday, June 8, 2012



casa
Barcelona 2012

*
onze horas
de um presente
que não existe
e tardas
de um tempo 
que é só tempo 
onde de ti
veleidade
desconhecimento 
absoluto 
do que é ser feliz
dói-me o corpo 
onde estás
e a alma toda
pesa-me a descrença
por que fontes
escorres
absoluta
e o mundo todo 
onde a tua sombra
é sem sentido 
onze horas
e há gente que passa
ausente
trémulo 
o meu corpo 
e o som 
de uma guitarra
longe
por que calhe
larguei o meu corpo
vazio
toca a solidão
estou só
e o fausto das cidades
que são grandes
porque grandes
apenas
onde de ti
e os prédios 
as sombras
os escombros
existirás
além de mim
os rostos sem olhar
que ignoramos
do pensar-te
a impossibilidade
de sermos homens
do amar-te
simplesmente homens
a sós de tudo 
livres
do recusarmos
juntos
as vontades 
que nos não pertencem
para sonhar
é já manhã 
e nada acontece
nada além de ti 
que não existes

No comments: